segunda-feira, 4 de abril de 2016

Abertura Truta Marisca Rio Minho 2016.

A abertura da truta marisca no rio Minho foi este ano muito mais tarde. Depois de anos de antecipação à época normal (geral 01 de Março) este ano decidiram 01 de Abril de 2016.
Não sei os motivos desta abertura tão tardia, mas foi mais uma grande surpresa para mim.
Quando pensamos que já conhecemos bem o rio, no meu caso que pesco à mais de 35 anos neste rio, quando pensamos que o rio já nos deu todas as surpresas e quando vemos o que está a acontecer com todos os rios, temos uma enorme surpresa positiva com o rio Minho.
Nunca em todos os anos de pesca neste rio vi uma abertura como este ano. Mesmo com algumas informações recebidas que o rio estaria “inundado” de trutas, nós pensamos sempre que é um exagero. Pois surpresa das surpresas o rio estava mesmo “inundado” de trutas marisca.
Apesar de todos os excessos que se cometem. E como eu que pesco de barco posso observar, existe uma quantidade muito grande de barcos que mesmo nestas condições de imensas trutas. Continuam a “meter” no barco todas as trutas, mesmo as que não têm a medida regulamentar (30 cm). E infelizmente, vemos muitos barcos a continuarem a cometer esta ilegalidade o que em termos futuros compromete a pesca. Fico surpreendido como é possível haver tantas trutas neste rio.
O dia embora tenha começado tímido e com pouca actividade, e essa pouca actividade,  com pequenas trutas (sem medida),  com o meio da manhã começaram “a crescer” e a sair trutas de boas dimensões. Com o cair da tarde, todas as trutas eram bastante boas e com uma actividade que nunca vi.
Foi impressionante o número de capturas, o número de devoluções ao rio (trutas sem medida) e o número de trutas presas que escaparam. Nunca vi nada semelhante.
Nem na barragem dos pisões após a fuga de trutas com o rebentamento das redes vi tão grande actividade.
Ficámos todos muito contentes e satisfeitos, pois se por um lado vemos pessoas que não cumprem as “regras” e metem todas as trutas (de qualquer dimensão) ao “saco”, pondo em risco o futuro do rio e as futuras gerações, vemos que o rio consegue recuperar e que pela actividade que vimos deve ter mais trutas agora do que no passado. Esta foi uma das boas surpresas do rio este ano.
Pelo que pudemos ver toda esta actividade foi sentida pela maior parte dos barcos, pois sempre que passávamos por outros barcos víamos trutas a serem pescadas.
É muito bom ter um rio em Portugal que continua a ter tanta actividade, pois infelizmente, penso que será caso único (pelo menos em relação a trutas mariscas).
Foi um dia para nunca mais esquecer, e espero que os próximos sejam também bons, embora com a pressão de pesca a que este rio é sujeito e com a tardia abertura, para o tipo de pesca que continua a ser bastante eficaz, não dê muito tempo, pois com o calor as ervas do rio a crescer não será possível manter este tipo de pesca (currículo).      
Fica a recordação e fica também a esperança, pois com toda esta actividade continuamos a acreditar que é possível continuar pescar neste rio. 
Lamento apenas que não haja uma fiscalização mais apertada quer pelas autoridades Portuguesas quer pelas Espanholas, pois não vimos qualquer fiscalização no rio, ao contrário do que acontecia á alguns poucos anos atrás, sempre que estávamos no rio éramos fiscalizados mais pela polícia marítima de Espanha, que normalmente nos visitava e via os documentos e tamanho dos peixes que tínhamos.
Isto ajudaria a manter o estado de recuperação que vemos no rio hoje.



Boas pescarias.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Segundo dia de pesca trutas marisca Minho 2015 com fotos


O nosso segundo dia de pesca ás trutas mariscas no Minho (7-02-2015), é de facto no mínimo curioso.

 Quando pensamos que sabemos alguma coisa sobre a pesca ou sobre os rios, temos muitas surpresas, pois os rios e os tempos (sol) por vezes surpreendem-nos.

Estava um dia de sol aberto, muito calor, água clara e tempo de primavera mais a cheirar a verão. Normalmente não é o melhor tempo para o Minho. Mas por vezes ter a sorte de descobrir as trutas, onde estão e como estão a comer, é a diferença entre um bom dia de pesca e um mau dia.

Este é de facto a prova dessa diferença. Quando muitos dos nossos amigos excelentes pescadores e conhecedores do rio, mas tiveram o azar de não descobrirem onde, como e que rapalas estavam as trutas a atacar, fizeram a diferença entre um mau dia e um bom dia de pesca.

No nosso barco este foi um excelente dia de pesca, quer em quantidade quer em qualidade. Mais uma vez um nosso colega e pelo segundo dia de pesca consecutivo pescou um belo salmão. Tinha 83 cm, estava magro só pesava 3,500 kg. Se fosse um salmão “normal” pesaria no mínimo 5,5kg .

Outro barco de um nosso amigo pescou também um bastante semelhante, vimos este salmão que estava acompanhado de uma truta de cerca de 3kg e outra de 2Kg, e mais algumas de tamanho normal. Para este barco foi também um dia excelente de pesca.

Mais uma vez vimos que de facto o factor sorte é determinante na pesca, mas também aliado ao factor de experimentar. No nosso caso a grande quantidade de trutas pescadas deveu-se muito ao factor de experimentar nos momentos de menor actividade formas diferentes de pescar, ou pelo menos apresentar ás trutas, as rapalas de forma diferente.

As imagens valem mil palavras, deixo ficar, algumas fotos, o dia hoje estava muito bonito e permitiu tirar fotos sem problemas.

Mas mais que a grande quantidade de peixe pescado, o que me mais surpreendeu foi a quantidade e a actividade que tivemos de trutas. Tivemos uma quantidade de “ataques” falhados, trutas que estiveram presas e se soltaram ou apenas atacaram e não ficaram presas, como não me lembro de um dia assim. Foi um dia impressionante com uma actividade por parte das trutas como é difícil de voltar a acontecer, mas quem sabe?

Somos sempre surpreendidos por este maravilhoso rio, e se na abertura ficamos decepcionados com a pouca actividade, embora tenhamos tido uma quantidade razoável de trutas e um salmão, mas muito menos do que em aberturas anteriores, hoje pelo contrário tivemos o oposto.

Mais uma vez podemos reflectir que sabemos pouco sobre o rio e sobre pesca, e quando nos convencemos que já sabemos bastante, estamos muito enganados, e este dia foi mais uma vez um dia que nos ensinou esta verdade. Tivemos de mudar de técnica e voltar quase ao ponto zero para conseguir toda a actividade que o rio depois nos proporcionou.

 Boas pescarias.   




segunda-feira, 2 de março de 2015

Abertura Truta Marisca Rio Minho 2015


A abertura da truta marisca 2015, foi para nós algo “tímida”.

Foi a pior abertura em termos de quantidade dos últimos anos. Embora tenha “terminado” bem, com um Salmão, em termos de quantidade foi algo que já não estávamos habituados. Se por um lado a quantidade total fosse interessante, por outro, e tendo em conta que é a  abertura e sendo de barco, não foi o que esperávamos e que estávamos habituados.

Vamos ver o desenvolvimento dos próximos tempos. Poderá ter a ver com o dia, não notamos uma atividade “normal” para uma abertura. Começamos com várias trutas capturadas com comprimentos de 27-28 cm que devolvemos, tendo depois aumentado para os valores normais, mas nenhuma daquelas especiais que muitas vezes somos comtemplados.

Tudo isto acompanho por uma chuva que embora não fosse “forte” mas que nos acompanhou a grande parte do dia. Muitos dos barcos que nos acompanhavam nesta abertura foram desistindo ao longo do dia, diria que mais de metade, na hora do almoço desistiram. De uma maneira geral as trocas de informação e comentários entre os vários barcos, não vimos nada de especial em termos de quantidade capturada e peso entre os vários participantes. Todos se queixavam que as trutas não estavam muitas ativas. Espero que seja mesmo falta de atividade e não falta de trutas. O caudal do rio estava muito “fraco” para Março, claro que devido á falta de chuva forte e cheias que não foram fortes este ano, e ainda o que notamos é que o rio já tem demasiada “erva” ou “lavassas” no fundo do rio. Já parecia o Minho de Abril dos anos anteriores. Muito sinceramente, fiquei um pouco dececionado com o rio este ano. Não fiquei muito convencido que fosse falta de atividade, fiquei com a sensação que a quantidade de trutas não será muito grande, ou então devido á falta de grande caudal, as trutas tenham subido mais o rio. Teremos que ver nos próximos tempos.

Esperemos que no próximo sábado, pelo menos o tempo esteja mais agradável e nos permita avaliar e utilizar mais algumas “técnicas” para tentar ver se de facto foi pouca atividade ou falta de peixe.    

 A quantidade pescada poderia ser para muitos, considerada boa, mas quando comparada com outros anos, não foi nada de especial.

 Fiquei contente de ver que continuam a existir salmões, capturamos um, e comentaram que outro barco terá capturado outro, estes o que nós ouvimos, possivelmente terão saído mais, mesmo da margem.

Mas como pescadores para nós é importante, o convívio, a paisagem, o prazer de disfrutar de um rio maravilhoso como é o rio Minho.

Nós vamos continuar a disfrutar deste rio fabuloso enquanto pudermos.  

Boas pescarias.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Sável no Rio Minho


O Rio Minho continua a surpreender, mesmo aqueles que o conhecem bem.

Se ao longo de muitos anos, nos habitou e nos tem dado o prazer de fazermos belas capturas de trutas mariscas (e outras), salmões, savelhas e robalos (entre outras muitas espécies), por vezes ainda nos surpreende com algo que não é tão habitual.

Estou a falar de sável. Sei que alguns pescadores ao longo dos anos têm a sorte de capturar alguns exemplares (que eu saiba não muitos).

Mais do que palavras, 3 fotos que falam por si, deixo ainda a informação e as palavras que descrevem a emoção de quem teve a sorte de capturar este belo exemplar.

 
 
Aqui vão as fotos da excelente captura de um sável fêmea .
Relato da captura :
 
No dia 25 de Maio de 2014 , o Rio Minho ofereceu-me um dos momentos mais sensacionais que um amante da pesca pode viver.
 
Estava a pescar a savelha com outros pescadores e não parecia dia de dar peixe. Os meus colegas começaram a desistir e a abandonar o local. Ficamos só três e quando o sol estava com os últimos raios, pelas 21 horas, aconteceu!
 
Estava a corricar lentamente, porque a corrente estava forte e recebi uma investida brutal que me fez subir a adrenalina ao máximo. Nesse momento, apercebi-me logo que estava do outro lado um peixe que me ia dar muita luta. E assim foi, durante vários minutos o belo exemplar de Sável (fêmea) com 4,620 Kg fez-me sentir sensações que nunca mais vou esquecer!!
 
 
 
Autor da captura: José Maria 
Natural: Gandra/ Valença Do Minho
Espécie: Sável (fêmea)
 

terça-feira, 18 de março de 2014

Abertura truta marisca rio Minho 2014.


Este ano fruto do tempo que se fez sentir nos últimos meses, chuva e mares muito agitados as expectativas para a abertura eram para mim algo menos otimista.

Se o enorme caudal do Minho é sinónimo de probabilidade de entrada de muitas trutas, por outro lado as cheias e constantes descargas das barragens, faziam crer que a água estaria bastante suja e com poucas possibilidades de pesca.

Muitos pescadores também pensaram assim, e vários não foram á abertura e outros apenas foram ver, se tinham os outros, pescado algo.

 Nós não perdemos uma abertura, já vão mais de 30 anos que não perdi uma abertura, e lá fomos com baixas expectativas, mas sempre com a esperança que de um momento para o outro pudesse “aparecer” aquele peixe que esperamos. Já por duas vezes com água muito escura pesquei dois salmões no Minho. O primeiro, andamos um dia completo a pescar sem sentir um peixe, e de repente pega um bastante grande que depois vim a confirmar ser um salmão, foi tudo o que pegou e tudo o que saiu. Mas valeu a pena.

Chegamos ao rio às 6.30H, a primeira impressão foi um pouco desoladora, montes de lama que impedia o acesso do barco ao rio no local habitual. O rio estava ainda bastante cheio e a água um pouco escura. No entanto depois do barco na água vimos que a cor da água no curso normal daria para se pescar.

O início foi um pouco mau, estivemos mais de uma hora sem sentir as trutas. Mas assim é a pesca e a insistência normalmente trás bons resultados, em alguns minutos tivemos três trutas presas e todas muito boas, apenas uma entrou para o barco. Começamos muito bem, uma truta marisca bastante grande com uma cor linda, tinha entrado á pouco do mar. Ganhamos ânimo, e vimos que poderíamos fazer uma boa pescaria. A manhã foi um pouco fraca, pescamos algumas trutas pequenas (algumas bastante pequenas) que devolvemos a água e mais umas (poucas) com medida (uma também bastante boa). Muitos dos colegas desistiram ao almoço. A chuva constante, o vento e o rio não ajudavam. Nós somos muito persistentes, e ficamos até ao final da tarde. Quando saímos já o rio estava fora do leito com mais de um metro acima da altura em que entramos e a hora da maré era semelhante. A pesca correu bem, em quantidade não foi mau e em qualidade também foi razoável. Não foi das boas aberturas, mas não foi mau.

Como sempre devem ter existido pescadores com boas capturas e outros com menos boas, mas a vida e a pesca são assim.

O dia foi de facto pouco convidativo, sempre a chover e vento, muito caudal com pequenas ilhas cobertas e água muito “tapada”, mas mesmo assim conseguia-se pescar. Ficamos com a impressão que o rio tem bastantes trutas, apenas ainda não está nos melhores momentos para pescar, encontramos alguns bons exemplares, o que nos dá esperança que em termos futuros possamos fazer muito boas pescarias neste belíssimo rio.

O tempo este ano não dá tréguas aos pescadores, nem no mar nem nos rios, esperemos que muito brevemente mude para podermos disfrutar dos rios e mar.

Trutas mariscas rio Minho - Fotos 2014 o regresso


Minho – O regresso aos velhos tempos.

Finalmente o rio voltou ao seu leito normal e a água “limpou”.

Depois de uma abertura tímida, mas razoável, o sábado que se seguiu foi mau, com a água muito suja, a barragem abriu as comportas e a lama que se tinha depositado no fundo foi libertada. Foi um dia muito fraco com pouca atividade.  
Finalmente este sábado dia 15-03-2013, a água voltou a vir mais limpa, embora ainda um pouco tapada e podemos comprovar que de facto o rio está cheio de trutas mariscas.


Foi um dia de grande atividade, muitas capturas e algumas muito boas e também com muitas trutas mais pequenas que libertamos.

Tivemos de parar um pouco cedo (16:00H), numa hora de boa atividade, mas mesmo assim com um número de capturas bastante bom, para não dizer excelente. Não se pode capturar todas num dia, assim ficaram mais para os próximos dias.

Vimos muitos barcos a pescar bastantes trutas, ou seja foi mais ou menos geral, com uns amigos a fazerem umas excelentes capturas, grandes e também quantidade. Penso que foi um dia de pesca muito bom para a grande maioria de pescadores, pelo menos de barco.

Este dia fez-me lembrar os velhos tempos do Minho, muitas trutas e de boa qualidade (tamanho). É incrível como este rio consegue resistir a todo o esforço de pesca a que é sujeito, a “pescadores” que não respeitam o tamanho das trutas e que tornam o futuro incerto.

Junto algumas fotos, o dia estava muito bonito para fazer fotografias.

Boas pescarias.

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Trutas mariscas continuam a entrar no Minho

Depois de mais algumas cheias, e depois de algum tempo em que o Minho não permitiu a pesca, vem a recompensa. As trutas continuam a entrar, estão maiores e mais bem alimentadas. O Minho continua a receber a visita das trutas mariscas. Pescamos algumas mesmo acabadas de entrar.
Embora o rio esteja muito diferente este ano, talvez pela intervenção no leito, as trutas estão concentradas noutros locais, e atacam de forma diferente. É preciso alguma paciência e algumas experiências para dar com a forma como atacam. Mas temos depois a recompensa.
Esta foi a pescaria de sabado dia 19-04-2013.
Mais do que palavras uma imagem fala por si.
Vemos pela cor que bastantes são acabadas de entrar, ainda são bastante prateadas.
Não á duvida que o rio continua com bastante vida, e respeitando o tamanho minimo, pois pescamos uma quantidade muito grande de trutas entre os 25 e 29 cm, devolvenda a água as que não tem as dimnsões, podemos continuar durante muito tempo a praticar esta bela modalidade, a pesca.

Boas pescarias.

A. Martins

domingo, 17 de março de 2013

Salmões no Rio Minho 2013

É uma enorme alegria ver o Minho de novo com salmões. Este é mais um ano que confirma que a repovoação feita quer em Portugal e mais em Espanha, e ainda proibição de pesca na Zona de S. Gregório (Cevide),  está a dar bons resultados. Este ano já foram pescados muitos salmões, a maioria dos pescadores de barco que conheço já pescaram salmões.
É o terceiro ano consecutivo que muitos pescadores são bafejados pela sorte de pescarem um exemplar, mesmo sem serem muito grandes, mas mesmo assim de dimensões já bastante boas, e claro por vezes alguns grandes.
Temos aqui um bom exemplo que é possível recuperar os rios com algum trabalho, temos nós pescadores também de contribuir para esta ajuda, devolvendo os peixes sem dimensão ao rio.
No passado sábado (09/03/2013) um amigo pescou dois salmões dos quais junto foto, um com 69 cm e outro com 71 cm, e teve outo preso que  junto ao barco ainda escapou.
  
Este sábado, mesmo sendo um dia de pesca muito mau, a barragem esteve todo a dia libertar um enorme caudal, uma corrente onde era muito difícil de pescar, mesmo assim eu ainda tive sorte e pesquei um salmão com 66 cm e quase 2,5 Kg. Tive ainda outro ataque no mesmo lugar e na passagem seguinte, isto normalmente significa outro salmão, mas não consegui ver, deduzi apenas que seria a fémea.

Aqui em baixo uma foto junto a uma truta normal (35 cm), para se conseguir ter uma ideia da dimensão.

Mas muitos outros foram pescados e alguns de tamanho bastante bom.
Este ano foi o primeiro salmão que pescamos, no entanto todos os anos (2011 e 2012) pescamos alguns salmões.
São estas as boas noticias que tenho, o Minho continua a resistir e a surpreender-nos com a sua capacidade de resistir ás atrocidades que tem sido cometidas contra ele, a grande quantidade de barragens que impede a subida dos salmões, a pesca sem limites (tempo e tamanho) que muitos continuam a praticar, a quantidade de pescadores quer profissionais quer amadores, mas que fazem uma enorme pressão de pesca, e ainda as redes que não dão tréguas. Mas ele (Minho) vai sobrevivendo e continua com enorme vida e dando a todos os apaixonados por esta modalidade muitas alegrias.
 
Boas pescarias.
António Martins

domingo, 3 de março de 2013

Abertura pesca truta marisca rio Minho 2013 fotos

Esta abertura decorreu dentro das expectativas, não foi muito boa, mas foi bastante razoável.
Dado que coincidiu o dia 1 de março com uma sexta-feira, este ano fizemos uma dupla, foi sexta e sábado.
Foram dias muitos semelhantes em termos de números, no sábado tiramos mais uma truta que sexta, no entanto tivemos bastantes mais trutas presas que fugiram. Sentimos bastante mais peixe, no entanto a forma como atacavam a rapala, era a medo e não com grande apetite.
Resumindo foram dois dias bastante razoáveis, com algumas trutas razoáveis, mas nenhuma considerada “trofeu”. Foi muito melhor que o ano anterior, mas bastante mais fraco que á dois anos.
Pescamos várias trutas acabadas de entrar, o que é muito bom pois o rio está a repor os stocks, no entanto pescamos muitas trutas pequenas, na sexta devolvemos onze trutas ao rio, por falta de tamanho, e no sábado 14. Na sexta um “barco” pescou dois salmões, não tive conhecimento de mais nenhum, a quantidade de barcos sexta-feira foi também que me lembre um recorde, num pequeno espaço estavam mais de trinta barcos. De um modo geral todos pescaram algumas trutas, os que acertaram com as tonalidades e tipos de “rapalas” pescaram bastante mais. No sábado estavam já muitos poucos barcos (na mesma área), talvez uns seis.
Estou convicto que num dia “bom” para a pesca, tempo com nuvens ou chuva, poderemos fazer muito boas pescarias, quer em quantidade quer em dimensão.
Os fundos foram alterados na zona que fui pescar, retiram grandes quantidades de areia, o que deve ter alterado a “fixação” das trutas que ficavam nos locais de areia mais funda a comer as ameijoas. Não vimos trutas a comer ameijoa, pois normalmente quando as pescamos elas costumam a deitar fora a comida e normalmente as ameijoas, no entanto ainda é um pouco cedo, costuma a ser um pouco mais tarde que acontece.
De uma forma geral fiquei satisfeito com o rio, pensei que as alterações que sofreu, iria modificar os locais em que normalmente as trutas se concentram, não foi o caso. Pescamos as trutas nos locais normais.
Vejo que alguns pescadores ou por desconhecimento ou intencionalmente, pescam quer de barco quer das margens nos locais proibidos (anexo VI do edital 37/2012) alguns de barco continuam a pescar com as “rapalas” ou antes dizendo com as salmo de 5 cm o que não são permitidas, mas vejo que o fazem de uma forma tão descontraída e a mostrar em frente á polícia marítima, que acho que deve ser mesmo falta de informação, mas a multa é de 250,00€. Infelizmente ainda vemos muitos barcos a pescar trutas sem medida e a não as devolver á água, a polícia marítima também não esteve em grande atividade, vi apenas os espanhóis na sexta a saírem na corveta, não sei se fiscalizaram algum barco, o meu não fiscalizaram, e sábado nem espanhóis nem portugueses.
É pena a pouca fiscalização, pois como está provado por todos os estudos feitos, todos os rios que “passam” por Portugal estão a diminuir drasticamente os números de trutas, e continuando a permitir a captura e não devolução das trutas sem medida, estamos a contribuir para a extinção da espécie. Neste momento já está considerada como espécie em vias de extinção. (livro vermelho das espécies).
 Deixo ficar algumas fotas, quer de trutas (meio da tarde) não tirei no fim pois já não tínhamos luz suficiente, e dos pescadores.
No sábado levei um amigo, que foi a sua estreia na pesca á truta, e deixo ficar aqui algumas fotografias que mostram a satisfação “estampada” no rosto quer pela captura quer pelo dia maravilhoso passado no rio Minho.












sábado, 23 de fevereiro de 2013

Salmão rio Narcea

Embora mal filmado, quero partilhar o filme do meu primeiro salmão grande, pescado á amostra no rio Narcea, Asturias.
video
Neste filme vê-se a emoção de pescar um peixe, que é o "rei do rio".

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Abertura Rio Minho 2013 -Truta Marisca

Antes da abertura da pesca, algo que gosto de fazer é “visitar” o rio. Ontem dia 16-02-2013, fomos ver o rio Minho, as “entradas” para o barco, o caudal e a cor da água.
Gostei muito do caudal, a água ainda tem uma tonalidade bastante escura, nada que impeça a pesca. Fiquei um pouco dececionado com o desassoreamento do rio junto á ponte antiga de Valença. Se por um lado em termos futuros será bom, pois nota-se um enorme “poço” que poderá ser um futuro “viveiro” de peixe, pois será um bom local onde deverá juntar comida, e uma enorme profundidade que dará alguma segurança aos peixes. Mas de imediato penso que será pior, pois foi retirado uma fonte de comida, as ameijoas que com as areias que retiraram, foram também retiradas, sendo estas uma das fontes de alimentação das trutas e outros peixes. É incrível a quantidade de areias que retiraram desta parte do rio.~
Junto á ponte também era um bom lugar para metermos os barcos na água, estando agora quase que impedido, pois tem uma enorme corda que segura uma “barca” de trabalhos no rio.
As obras na ponte podem também nesta pequena área ter algum impacto nos dias úteis. Neste ano, esta zona poderá ser um pouco pior do que o normal, mas de uma forma geral gostei bastante do rio.
Outro dos “rituais” normais é falar com alguns dos conhecedores do rio, e tentar compreender se estão a entrar trutas, salmões e outras espécies. Foi de novo confirmado as noticias que já tinha, estão a entrar muitas trutas e alguns salmões.
Viemos do Minho satisfeitos, com as informações, com o caudal do rio, e com o próprio rio. Ficamos já com algumas ideias, onde devemos “insistir” e onde não devemos perder muito tempo, vimos ainda algumas das zonas onde é proibida a pesca (anexo VI do edital 37/2012), e como contornar estes lugares.
Ver o rio antes é sempre algo de muito bom, pois pelas correntes, pela tonalidade, ficamos já com algumas ideias dos lugares a “bater” das rapalas a utilizar, “cores” e tipos.
Esta “inspeção” ao rio antes, é de facto algo recomendado, pois assim não andamos no primeiro dia ás “apalpadelas” a ver onde pescamos, claro que enquanto pescamos vamos vendo se as nossas teorias estão corretas, ou se temos de alterar o que fazemos. No entanto já partimos com uma ideia muito geral do rio.  
Estou convencido que vai ser um excelente ano de trutas mariscas, de bons exemplares e de grande quantidade.
Penso que também que nas margens no inicio não será tao bom, pois o caudal vai impedir o acesso a alguns lugares excelentes, só mais tarde e com menos água será possível da margem “bater” bem esses locais.
A ver vamos, mas parto muito otimista.
Boas pescarias,
António Martins.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Abertura pesca truta marisca rio minho 2013


A um mês da abertura no Minho da truta marisca, este ano a 01/03/2013, as noticias que chegam são muito boas.
O rio leva um excelente caudal, o que significa que as trutas e salmões têm boas condições para entrar. E de facto estão a entrar.

A outra boa notícia é que finalmente as entidades fiscalizadoras estão a actuar contra alguns que continuam a prevaricar, pescando no período de defeso. Têm sido “apanhados” vários “pescadores” e segundo consta as multas são elevadas. Sei que a Policia Marítima têm controlado um pouco os pescadores profissionais (redes), têm também apanhado muitas trutas e alguns salmões nas redes da lampreia e ficam com elas. Mas a lei diz, que não se podem reter ou transportar peixes, que estão no período de defeso.
A má noticia, que por outro lado é boa, já pescaram á cana pelo menos um salmão grande. Má porque continuam a pescar no defeso, boa porque de facto estão a entrar trutas e salmões, sei que também nas redes tem sido apanhadas bastantes trutas e alguns salmões.

O ano prevê-se bom, neste ano não temos o problema de pouco caudal que limitou em muito a entrada de trutas mariscas do ano anterior. No Minho, como em todos os rios de entrada de trutas mariscas, é importante a entrada continuada das mesmas, assim não esgotam, são mais “bonitas” prateadas em vez da cor escurecida pela permanência no rio, e a possibilidade de pescar algum salmão é um pouco maior.
Por outro lado a abertura mais tardia este ano, deverá proporcionar a captura de trutas maiores, pelo menos mais “gordas”, e uma quantidade (já no rio) maior.

Temos todos os condimentos necessários para que este seja mais um muito bom ano de pesca á truta marisca no rio minho. Esperemos que se concretize em boas capturas e grandes quantidades.
O Caudal a manter-se, poderá ser também, um bom ano para a pesca da savelha. Esta pesca embora diferente mas também  interessante.

Boas pescarias.
Antonio Martins

domingo, 10 de junho de 2012

Pesca á savelha no Minho

Durante vários anos vi pescar a savelha no Minho, no entanto nunca tinha experimentado esta pesca.
Este ano finalmente resolvi pescar á savelha e foi uma surpresa muito agradável.
As savelhas do Minho são bastante grandes, atingindo os dois kilos. As savelhas mais comuns rondam um kilo.
Talvez por ser uma pesca muito semelhante á pesca ao robalo, á borracha, que eu gosto muito, também gostei bastante desta pesca.
As borrachas utilizadas são imitações do meixão, e podem ser em várias cores, entre o branco, amarelo, vermelho e outras cores.
Talvez por ser um período muito curto, de 15 de maio a 15 de junho, e a extensão do rio em que é pescado não ser muito grande, é a pesca onde se acumulam mais pescadores.
Temos no fim-de-semana de ir para o rio muito cedo, cerca das 04:30 para conseguir arranjar vez. Mesmo a esta hora já estão vários pescadores locais nos lugares mais procurados.

Nunca vi uma pesca onde tantos pescadores estão “ombro a ombro” a pescar, e mesmo assim não se vêm grandes discussões, pelo contrário estamos a pescar num ambiente amigável e de camaradagem.
Embora seja melhor pescar de barco, pois podemos estar em lugares mais eficazes, a pesca da margem, embora com demasiados pescadores é bastante agradável. Foi esta última que experimentei, no próximo ano irei fazer esta pesca de barco.
A savelha tem um ataque semelhante ao robalo, talvez um pouco mais violento, o que nos dá um grande prazer, quando conseguimos pescar algumas.
Exige um pouco do pescador, pois temos de durante horas seguidas fazer “lançamentos” consecutivos, e recolha, pois temos de ter a borracha a trabalhar quando as savelhas passam.
A chumbada utilizada é de cerca de 35 a 40 gramas, mas estamos continuamente a lançar.

É de facto uma pesca emotiva, pois estamos sempre á espera que a qualquer momento, tenhamos um ataque violento á nossa borracha.
Como normalmente saem algumas, como somos tantos pescadores, alguém de repente pesca alguma. Este efeito motiva os restantes.

É uma pesca que aconselho a quem gosta de pescar com artificiais, e alguém que gosta de fazer pesca muito activa (nunca estamos parados).



Junto anexo texto sobre a savelha recolhido na Net, no entanto as savelhas do Minho são maiores do que as que este texto enumera.




Nome comum: Savelha, Saboga.



Nome científico: Alosa fallax (Lacepède, 1803)



Hábitos e Habitat: A savelha é uma das espécies de peixe pertencentes à família Clupeidae, na qual também se incluem espécies como a sardinha e o arenque. A savelha, ou saboga, possui o corpo fusiforme e comprimido lateralmente. Apresenta 4 a 8 manchas pretas atrás do opérculo, bem visíveis sobre a cor prateada dos flancos e ventre. O dorso possui coloração azulada e brilhante. As escamas desta espécie são grandes, suaves e pouco aderentes. No ventre possui uma linha de escamas diferentes das restantes – escuteliformes - que formam uma quilha ou carena (Figura 1). As fêmeas atingem as maiores dimensões e longevidade, cerca de 55 cm e aproximadamente 1 kg, podendo viver até aos 10 anos.
 A savelha ocorre no Atlântico Nordeste, desde a Escandinávia até às zonas     costeiras de Marrocos, incluindo o Mar Mediterrâneo, Mar Báltico e Mar Negro.

Esta é uma espécie migradora anádroma, que ocorre não só em meio marinho, como nas zonas costeiras, mas também em estuários e na zona mais a jusante dos rios (mais próxima do estuário). Em Portugal ocorre nas bacias dos rios Minho, Lima, Vouga, Mondego, Tejo, Sado, Mira e Guadiana. Na bacia do Douro já não existem populações viáveis, embora se continue a verificar a entrada de indivíduos erráticos.

As savelhas são peixes que formam cardumes que se movimentam ao longo de toda a coluna de água, e diz-se por isso, que são peixes pelágicos. Quando em meio marinho, vivem a profundidades na ordem dos 200 a 300 m.

É no meio marinho que as savelhas se preparam para a migração de reprodução. No início da Primavera, entre Março e Abril, os cardumes de savelhas agregam-se nos estuários. Em Maio começam a subir os rios, quando a temperatura da água varia entre 10ºC e 12ºC. Esta espécie necessita de intervalos de adaptação à diferença de salinidade da água, à medida que sai dos estuários e começa a subir os rios.

Os machos iniciam a migração para montante dos rios umas semanas antes das fêmeas. O local escolhido para a desova, geralmente tem substrato arenoso, com algumas pedras e vegetação aquática. A desova ocorre em Junho e Agosto, sempre durante a noite, em que a agitação de numerosas savelhas a chapinhar à superfície da água produzem um som bem audível. Após a turbulência do frenesim da desova, os ovos fecundados afundam no leito do rio, permanecendo sobre o substrato de areia, lodo ou gravilha, e eclodem decorridos 4 a 6 dias (dependendo da temperatura da água).



Após a desova, os adultos que deixaram de se alimentar durante a época de reprodução em água doce, regressam ao mar, podendo ainda voltar a reproduzir-se durante cerca de 3 épocas. No mar, os adultos alimentam-se de pequenos peixes e crustáceos.

As pequenas larvas de savelha alimentam-se de plâncton e invertebrados dulciaquícolas à medida que são arrastadas pela força da corrente em direcção aos estuários, onde chegam entre Agosto e Outubro. Podem permanecer nos estuários durante 1 ano, após o qual migram para o mar até atingir a maturidade sexual: aos 2-3 anos de idade para os machos e 3-5 anos para as fêmeas, dando continuidade ao ciclo de vida desta espécie.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Abertura pesca Minho 2012


Noite muito curta, depois de 3 horas de dormir, levantei-me as 4:40 para sair as 5:00 e para chegar cedo e tomar o pequeno-almoço como costume na confeitaria das cerejeiras.
As expectativas eram enormes, a abertura nos últimos dez anos tinha sido bastante boa, nos últimos dois, mesmo fabulosos. Tínhamos vários ingredientes que perspectivavam um bom dia de pesca.
Quando chegamos ao nosso local, já dois barcos se preparavam para entrar na água, preparamos as “coisas” e aguardamos a nossa vez, chegamos em boa hora, pois não demorou muito a começar a procissão dos barcos. Esperamos já dentro do barco o nascer do dia.

A claridade do nascer do dia apareceu e nós começamos a pescar. O tempo estava super frio, estava um vento fraco gelado, mesmo com roupa adequada, botas de neoprene completas, e um corta-vento por cima, não era fácil suportar o frio, as mãos congelavam á medida que o barco andava. Normalmente quando o sol nasce, o dia aquece, já temos tido muitos dias de frio (geada) que depois o sol nasce, e fica agradável, mas neste nas primeiras horas era de congelar, estava a desenhar-se um dia que de facto se confirmou, que de normal não teve nada. Normalmente não costumamos (de barco) pescar trutas mariscas no Minho no nascer do dia, apenas algum tempo depois, mas este começou bastante bem, foi pescada depois de 4 minutos a primeira truta, (28 cm) e devolvida á água, depois mais uns minutos e uma bastante grande (a melhor do dia), seguiram-se outras sem medida e vários “ataques”, e de repente parou. Apareceu o sol e andamos tempos infinitos sem sentir peixe, de muito em muito longe lá pescávamos mais uma truta e mais um tempo infinito sem nada. Desesperados a que tentar todas as cores do rapala, á que fazer experiências na forma de pescar, na velocidade, em todos as situações que nos lembramos, troca de telefonemas com outros amigos pescadores (que tinham o mesmo problema), mas nada fazia mudar para o que normalmente dava resultado.
Assim andamos horas a fio, até que o sol começa a desaparecer, e as trutas voltam logo a uma boa actividade e conseguimos pescar mais algumas.

O caudal do rio muito baixo, como nunca se viu, a água transparente, em alguns lugares de vários metros de profundidade via-se perfeitamente o fundo. Parecia vidro, água limpa e com uma visibilidade como nunca vi. Claro que não foi apenas por este factor que as trutas não estavam muito activas, no meu entender e claro baseado nas que “pescávamos”, o problema era bastante maior, as trutas que entraram, fizeram-no em Novembro e Dezembro com as chuvas e caudal do rio, foram estas trutas que pescamos, era normal pescar trutas acabadas de entrar, este ano não pescamos uma. Todos os barcos com quem falamos e as trutas que vimos, estavam na mesma situação, trutas com algum tempo de entrada. Faltava aqui as trutas que todos os dias entram no Minho, devem estar no mar em Caminha á espera de água suficiente para entrar. As trutas acabadas de entrar são de cor prata, todas as que pescamos embora mariscas, já tinham alguma tonalidade mais escura, tonalidade do rio.
Foi a minha pior abertura (embora comparativamente a outros barcos, não fosse má) nos últimos dez anos. Não tenho qualquer dúvida que não estão a entrar muitas trutas, em algumas partes do rio tinham mais, mas não se viam a trutas normais desta época (acabadas de entrar).
Assim para este ano perspectiva-se um ano complicado, a não ser que chova suficientemente para gerar algum caudal, e aí entraram de certeza muitas trutas. Vamos pescar nestes próximos dias as trutas que estão concentradas em alguns lugares, mas sem “reposição” ou seja sem trutas a entrar todos os dias que é normal nesta época, vai terminar muito cedo a pesca no Minho este ano.

 Esperemos o tempo mude, nunca vi o Minho assim.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Caudal Rio Minho 2012


Depois de uma visita ao Minho no dia 04/02/2012, para pensar um pouco na estratégia de pesca para a abertura, tive uma grande surpresa.
Já não vi-a o Minho á mais de dois meses, nos meus cerca de 35 anos de pesca neste rio, não me recordo de ver um caudal, neste período, tão baixo.
A preparação começou quando passei sobre o Cávado, olhei, e vi um caudal que nem no verão costuma a estar tão baixo, depois foi a vez do Lima, um braço do rio (ultimo) estava seco.
A pesca, bem como muitas coisas na vida, é um pouco como conduzir, não podemos fazer o mesmo tipo de condução em estrada seca, molhada, gelo ou neve. Aqui na pesca é muito importante a “leitura” do rio, o caudal, a tonalidade da água (está transparente), sabemos que vai estar um dia com muito pouca nebulosidade, e com pouco vento. Assim fiquei já com noção muito importante dos lugares a “insistir”e da cor das amostras a utilizar (no meu caso rapalas). Esta leitura é muito importante quer para quem pesque nas margens, quer para os barcos (meu caso). Sabemos que existem partes do rio (por vezes bastante) grandes que não vale muito insistir, e pelo contrário, outras, onde é muito importante esta insistência.
Fiquei com a impressão que mais uma vez vou ter razão, quando penso que foi uma grande “asneira” abrir a pesca tão cedo. Vai ser uma “mortandade” nas trutas. A falta de água nas barragens, logo por conseguinte, o fraco caudal, irá levar a uma maior concentração em determinados lugares das trutas, e irá fazer com que estejam ativas muito mais tempo. No rio Minho, para além da influência das marés, penso que mais importante, era a influência, das barragens, que quando “turbinavam”, aumentava muito o caudal do rio, descia a temperatura da água e as trutas ficavam algum tempo inativas, por vezes horas, nos dias de muita água. Agora com este nível, este efeito será bastante mais pequeno, o que irá permitir maior horas de atividade das trutas, logo um número capturado, bastante superior, caso tenham entrado (as trutas claro).
É evidente que este efeito será bastante maior nos barcos, no entanto nas margens também será superior, e permite ainda que se “batam” zonas de pesca que normalmente não é possível, dado o caudal do rio.
Este está a ser um ano recorde de lampreias, e eu agora compreendo um pouco porquê. Elas com o caudal atual, não têm por onde fugir, claro que também existem outros fatores. A minha previsão será um inicio de pesca, bastante “forte”, com grandes quantidades capturadas. Por outro lado será um período mais curto, pois mais rapidamente, o rio ficará “limpo” dos bons exemplares. É apenas um a opinião.

Boa pescaria.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Pesca truta marisca 2012 - Minho

Uma nova temporada está para começar, este ano começa um pouco mais cedo.
Não sei se são boas notícias, mas a pesca este ano no Minho abre no dia 13/02/2012.
Este decreto lei 32/2011, que define as regras para este ano, no entanto não trás grandes novidades, as que realçam numa leitura rápida são de facto a data de abertura, e alteração na medida das trutas, trutas fário e arco-íris. Estas voltaram aos anteriores 19 cm.
Quando digo que não sei se serão boas noticias, baseio-me na experiência do ano anterior, em que se pescaram muitas trutas, embora grandes, mas muito magras. As trutas só começam a estar bastante gordas em meados de Março, penso que deverá ter a ver com a amêijoa, que é uma alimentação que as trutas adoram e que as alimenta bastante bem.
No entanto as autoridades marítimas de ambos os países de novo este ano nem têm isso em consideração, e assim, vamos fazer a abertura em 13 de Fevereiro
Ainda não vi o caudal do Minho, sei que existiram umas pequenas cheias em Outubro e Novembro. Espero que ainda exista mais alguma antes, pois é importante um bom caudal, para as trutas entrarem e não ficarem no mar como aconteceu a cerca de três anos, em que os profissionais, apanharam muitas trutas no mar entre o Porto e Caminha, o rio estava com pouco caudal, o que levou uma grande parte das trutas a ficarem no mar, não tendo entrado para a desova.

As boas notícias são que continuam a entrar muitos salmões, e que existem bastantes de repovoamento (entre 500 gramas a 2 kilos), estes ainda não saíram para o mar.
Estes repovoamentos foram feitos por Espanha, e também por alguns pescadores portugueses, em cooperação com as entidades oficiais.
São bastantes destes pequenos salmões, que a maior parte de nós nos barcos têm pescado.
No entanto existem já em algumas zonas de repovoamento, salmões de grande porte, caso do rio Mouro, foz do rio Gregório, e Sevide. Nestes lugares já foram vistos (final do ano anterior e este ano) vários exemplares de grandes dimensões.

Estão reunidas algumas das boas condições para que seja um ano bom, para a pesca da truta marisca no rio Minho. Espero que a grande parte dos pescadores respeitem as dimensões mínimas exigidas, pois só assim poderemos no futuro continuar com o melhor rio que “passa” em Portugal. Sei que muitos não respeitam o defeso, e pescam todo o ano, mas espero que respeitem pelo menos a medida, pois assim se asseguram a sua reprodução.
 Um bom ano de pesca para todos os amantes deste belo desporto.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Minho já com caudal normal 05-03-2011 - Fotos pescaria

Hoje dia 05/03/2011, com o regresso do rio Minho á “normalidade”, caudal e tonalidade da água, as perspectivas de pesca eram bastante boas.


Embora com uma pressão de pesca muito elevado, muitos pecadores de barco trocam o sábado por dia de semana, o que têm sido bom, pois agora ao sábado já não é tão confuso pescar, existem muito menos barcos. Uma grande parte das pessoas escolhem a quarta e a sexta-feira, para pescar, assim antecipam-se aos pescadores de fim-de-semana. Muitos não têm disponibilidade e têm de manter o fim-de-semana para o fazerem.

Para além dos pescadores, vê-se cada vez mais apanhadores de peixes, e são estes últimos que estragam um pouco a pesca, tenho visto vários apanhadores de peixes a “guardarem” trutas mariscas de pouco mais de 20cm, quando a medida é de 30cm. Em quarto dias de pesca no Minho, ainda não vi qualquer fiscalização, nem Espanhola nem Portuguesa, na abertura, andavam três barcos da policia marítima espanhola a percorrerem o rio, passaram várias vezes por mim e outros barcos perto de nós, sem qualquer “visita” para ver se estávamos legais, se não estavam a infringir a legislação.

A falta de fiscalização, e de fiscalização eficaz, pois vários guardam as trutas sem medida em compartimentos e lugares escondidos, levam a que os apanhadores de peixes continuem a não deixar crescer as trutas, procedendo a sua devolução (trutas sem medida), sempre que as pesquem.

Infelizmente continuamos ainda bastante atrasados mentalmente, não respeitamos a natureza, as leis de protecção, estamos muitos anos atrasados neste campo, em relação aos nossos vizinhos espanhóis. Só na margem portuguesa, e perto da margem, se vêm as garrafas de cerveja vazias a virem pelo rio abaixo, o lixo deixado nas margens pelos pescadores, o lixo deitado na corrente por alguns barcos, claro que todos portugueses. Infelizmente ainda não crescemos o suficiente nesta matéria.

Mas vamos agora ás boas noticias, o rio continua repleto de peixes, muitas trutas e muito grandes, muitos salmões. Todos os dias são pescados salmões, alguns de dimensões que mostram que já foram ao mar, e estão agora de regresso. É uma excelente notícia, ver de novo esta espécie de volta a este rio.

Todos nós pescadores de trutas sabemos, que têm as suas horas de actividade, sendo as mariscas e no Minho ainda de características mais próprias. Por vezes andamos horas sem sentir um peixe, e de repente aí estão elas, activas, lutadoras, e em quantidade. Neste rio temos de ser pacientes, e não desistir, este ultimo dia, eram 12 horas e tínhamos á volta de 4 trutas, depois de tarde fizemos uma pesca impressionante, quer em quantidade, quer em qualidade (muito grandes). Esta é uma característica deste rio que já conhecemos, a influência das marés, das barragens, leva a que tenhamos de ser muito persistentes, e apenas estes são normalmente recompensados. Este dia devolvemos ao rio vinte trutas sem medida, e mesmo assim ainda trouxemos uma enorme quantidade que anexo nas fotos abaixo.

É bom ver que este rio continua saudável, com muitas trutas e salmões, também sável e lampreia, e ainda outras espécies. Mesmo com todas as ilegalidades, os abusos, a falta de civismo e educação e de respeito pelo rio e pelos outros pescadores, continua a ser um rio excelente.

Agora deixo ficar estas fotos, para recordar e motivar, que são o fruto da dedicação que temos a este belo desporto.

Aqui pescaria completa, a mão serve para dar uma ideia mais aproximada da dimensão das trutas, estão separadas por tamanhos, as de baixo medem todas acima dos 50 cm. Em cima só existem duas com cerca de 32cm, as outras são de tamanhos bastante superiores.
Aqui mais em pormenor, as trutas grandes, todas acima dos 50cm.

Agora as restante de dimensão um pouco menor.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Pesca truta 2011

A abertura da pesca á truta no rio Minho no dia 14 de Fevereiro de 2011, não foi uma boa opção, as trutas embora em quantidade e dimensão bastante boas, estavam muito magras. Ainda não se via trutas a comer amêijoas (não traziam amêijoas na boca), que é um dos alimentos preferidos das trutas do Minho.


Sem dúvida que o ano de 2011, também se revelou como se esperava um excelente ano para a pesca da truta marisca, a quantidade de água das chuvas que encheu as barragens, e originou algumas pequenas cheias e um intenso caudal, permitiram que as trutas e outros peixes (Salmão, sável, e lampreia) entrar em grande quantidade.

Foi de facto uma abertura excelente quer na quantidade de exemplares pescados (embora magros), quer no tamanho.

O nosso segundo dia de pesca veio confirmar que de facto este é um bom ano de pesca. Embora todo o dia a pescar sobe um intenso caudal, água muito fria e escura da barragem, choveu muito durante toda a semana, nas fases de menor libertação de água pelas barragens, as trutas ficavam activas, o que nos permitiu uma ainda maior quantidade de trutas pescadas, uma grande quantidade de trutas sem medida devolvidas a água, neste segundo dia devolvemos á agua, 23 trutas sem os 30 cm, no entanto ainda capturamos uma boa quantidade acima dos 30cm.

Neste dia ainda confirmamos a informação dos pescadores locais, que entrou bastante salmão, capturamos dois salmões, e de dimensões razoáveis, e outro na medida. Mas capturar dois salmões em locais diferentes no mesmo dia, é algo que para o Minho e para nós é inédito, já capturamos em anos anteriores 1 salmão em alguns dias, mas nunca dois.

Mesmo os salmões e que ainda estão longe do período de reprodução, estavam um pouco magros.

Com todos estes factores, ficamos com a sensação, que este ano irá ser um excelente ano de pesca para o Minho, quando o caudal baixar, e as trutas engordarem com as amêijoas, então teremos quantidade e qualidade nos exemplares pescados, que farão com que seja um dos melhores anos de pesca á truta marisca no rio Minho. Felizmente continuamos ainda a ter um rio muito bom para a pesca, espero que consigamos não o poluir completamente, e que fazemos em Portugal com grande normalidade, e que saibamos proteger este belo, maravilhoso e rico rio.